Razões que justificam a pretensão da Covilhã a Cidade Criativa da Unesco na área do Design

A Covilhã é uma cidade do Design avant la lettre, ie, antes de o ser, pois a matriz projetual está muito presente na sua longa e sustentada tradição industrial, têxtil mas não só, que há muito vê no Design um precioso instrumento de criação de valor, e apresenta uma ampla oferta formativa a nível médio e superior neste domínio, desde as várias entidades que ministram formação profissional neste sector à Universidade da Beira Interior.

A candidatura da Covilhã a cidade do Design procura, por um lado, integrar as componentes académicas e formativas com a vertente expositiva, produtiva e empresarial do Design e, por outro lado, sensibilizar todos os públicos para a realidade e o desempenho do Design na melhoria da qualidade de vida, tanto mais que se reflete na optimização das condições do habitat, na optimização energética, no uso dos recursos disponíveis, no desenvolvimento da mobilidade e nas dinâmicas de relação entre a cidade e o campo, com grande importância ambiental.

O Design está no centro de dinâmicas de participação cívica, de resposta às necessidades específicas das populações e à emergência ecológica e climática. Através do Design e das artes, a Covilhã pode enquadrar toda uma estratégia de reabilitação urbana, aumentando a sua atratividade cultural, económica e turística, tanto da cidade como do território circundante, aumentando o seu PIB, designadamente no sector das indústrias criativas, com efeito transformador nos modelos de produção e de consumo.

Depois, há objectivos estratégicos relacionados com a internacionalização, capazes de aumentar o cosmopolitismo do município, seja pela integração nas redes e dinâmicas da UNESCO, de alcance global, seja pelo estímulo à circulação de pessoas, bens e, fundamentalmente, serviços de design.

Principais projetos para a Covilhã, Cidade do Design

Um primeiro grande projeto para Covilhã, Cidade do Design, passa, desde logo, por colocar o Design na agenda pública, como prioridade política e cívica, através da cooperação cultural entre diversos sectores, já que o design é um poderoso mediador entre a educação, a indústria, a academia e a administração pública, recorrendo à prática qualificada de projecto.

O segundo projeto a salientar baseia-se em criar uma estrutura de apoio logístico aos criadores em Design e áreas afins, como o Cinema, as Media Artes, a Arquitectura e as Engenharias, capaz de alavancar o aparecimento de start-ups neste domínio, de disseminar conhecimento e, obviamente, fixar pessoas e quadros qualificados na cidade e na região.

Como terceiro projeto, é fundamental conceber um equipamento permanente vocacionado para a promoção da cultura contemporânea e da literacia digital, a partir do potencial transformador e integrador do Design. Este equipamento modelar, ligado a outras estruturas existentes na cidade, como o Centro de Inovação Cultural, servirá de estímulo adicional à regeneração e reabilitação urbana e à refuncionalização do numeroso património subaproveitado da cidade.

Um desiderato coletivo

Afirmar a Covilhã como uma cidade de cultura, conhecimento, investigação e inovação é a meta para que a candidatura a Cidade Criativa da UNESCO na área do Design deverá sustentar e orientar políticas e estratégias públicas,  com o envolvimento de todas as entidades (empresas/instituições) e especialistas, as comunidades escolares e universitária, bem como a Comunidade em geral.