Covilhã, fábrica de criatividade e inovação

Rui Miguel

Rui Miguel
Presidente do Conselho Estratégico da Candidatura

A candidatura da Covilhã a Cidade Criativa da UNESCO em Design é o corolário natural da importância que a indústria de lanifícios tem representado na história social, económica e cultural da cidade. O debuxo dos tecidos tem sido reconhecido ao longo dos anos como a alma da atividade industrial, influenciando por osmose o comportamento da sociedade. Assim, o design tem estado presente nas fábricas e na cidade, de uma forma espontânea, genuína e orgânica, embora sem se ter essa consciência, numa altura em que a intervenção do design não tinha ainda a intensidade e abrangência que tem hoje.

O design, enquanto mediador, continuará a ter um papel motor no palpitar da “cidade fábrica” e no seu desenvolvimento sustentável, potenciado agora pela condição da Covilhã como “cidade universitária”. Esta importância da mediação responsabiliza também o design pela valorização da dimensão intangível que compreende um conjunto rico de símbolos associados à indústria da lã, os quais representam uma forte herança cultural e constituem o impulso fertilizante da “fábrica” da criatividade e inovação..